quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Condições do Subemprego em São Paulo.

Em São Paulo e em geral no cotidiano brasileiro não é incomum ver pessoas neste tipo de emprego, afinal o Estado é incapaz de atender as demandas da população quanto ao número de empregos.
Diante desse cenário, a informalidade passa a ser um meio de trabalhar para garantir o sustento, e o subemprego pode ser considerado como uma "válvula de escape" para pessoas com baixa instrução, já que muitas vezes após terem vínculos empregatícios com empresas acabados, não encontram outra
oportunidade e necessitam sustentar suas famílias e si próprios.

Estes trabalhadores, que costumam possuir menor escolaridade e menor qualificação, recebem salários baixos e estão mais expostos às condições precárias de trabalho, principalmente à falta de proteção (podemos destacar o alto risco de violência, homicídios, acidentes de trânsito e os atropelamentos) e de cidadania plena.
O Subemprego (ou o trabalho informal) na cidade e São Paulo se restringe a ramos como o do pequeno comércio, serviços de baixa qualificação que exigem experiência, mas não escolaridade elevada. Sendo quase metade da força de trabalho ocupada, os trabalhadores informais têm acesso a muito menos que a metade da economia metropolitana, a maior parte da qual é dominada pelo grande capital, sendo constituída por mercados em que a oferta está concentrada em um pequeno número de empresas, que por isso tem meios de evitar que ela se torne excessiva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário